A fazenda
A trajetória de um sertanejo na pecuária

O cantor Zezé Di Camargo está se tornando um exímio criador de nelore, a raça bovina que é a base da pecuária brasileira. Entre um show e outro da dupla, que se consagrou nacionalmente ao vender um milhão de cópias de seu CD de estreia, Zezé dedica grande parte do tempo à administração de sua fazenda de 1.500 hectares, no vale do rio Araguaia, no município de Araguapaz, distante 250 quilômetros de Goiânia, a capital de Goiás e cujo o nome da propriedade é "É o Amor".

O principal projeto do cantor e pecuarista para os próximos anos é vender touros, cerca de 500 por ano. A atual produção é de 150 machos e 150 fêmeas de seleção. No papel de fazendeiro, Zezé Di Camargo começou com gado comercial. Criar, recriar, engordar e vender animais prontos para o abate foi, durante 13 anos, uma experiência definida por ele como um laboratório para a decisão de se dedicar exclusivamente à seleção de elite.

Localizada nas planícies do Araguaia e ocupando uma área de 1.500 hectares, a Fazenda É o Amor, na goiana Araguapaz é farta de recursos naturais. A região possui uma topografia suavemente ondulada coberta por campos que viram o Cerrado ganhar novos capins com o advento da pecuária a partir da década de 1970. A propriedade de Zezé Di Camargo também é privilegiada com lagos e córregos, além de estar a 10 quilômetros do Rio dos Peixes, que é afluente na Bacia do Rio Araguaia.

Atualmente, o plantel da Fazenda É o Amor contabiliza cerca de 1,2 mil animais. São 400 matrizes e novilhas PO de produção a campo, mais 15 matrizes top doadoras de embriões, das quais cinco são consideradas excelentes mães de touros de campo. Para dar sustentação ao trabalho, o rebanho da Fazenda É o Amor integra dois programas de seleção genética, o PMGZ, Programa de Melhoramento Genético do Zebu, ancorado na Associação Brasileira de Criadores de Zebu (ABCZ), e o programa Nelore Brasil da ANCP-USP , a Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores.




Passados seis anos do início da formação do rebanho de animais de seleção, Zezé Di Camargo acredita que muita coisa ainda precisa ser feita para conquistar um lugar de destaque no cenário da pecuária nacional, onde o sucesso dificilmente surge de forma meteórica. "O mercado é lucrativo, mas necessita de investimentos pesados", afirma. "Além disso, é preciso fazer benfeito para ser reconhecido." O criador que se dedica à genética fina sabe que essa honraria vem com a produção de touros de qualidade. E é nesse nicho que ele aposta. A fazenda está localizada nas proximidades das divisas com Mato Grosso e Tocantins, Estados de produção de cria extensiva com grande demanda por reprodutores destinados à monta a campo. A Fazenda É o Amor quer pular dos 150 touros produzidos atualmente, para 500. "Em cinco anos, vamos fazer essa lição de casa", afirma Zezé Di Camargo.




Histórico
1993 | Aquisição da fazenda Cavalo Queimado, em Araguapaz (GO), rebatizada de Fazenda É o Amor. Compra, em outubro, dos primeiros garrotes para engorda e início da formação do rebanho de corte.
1995 | Inauguração da sede primeira venda de animais para o frigorífico Friboi.
1997 | O rebanho da Fazenda É o Amor se consolida com 1.700 animais criados a pasto.
2005 | Início da seleção de nelore puro de origem. Estreia dos animais nas pistas de exposição em Goiás.
2008 | Aquisição de Bucareste, a primeira matriz doadora, durante leilão em Brasília.
2009 | Entrada do rebanho nos programas de melhoramento genético.
2010 | Aquisição de Marani JS da BJ em sociedade com Cícero Antônio de Souza, por R$ 420 mil.
2011 | Realização do 1° Leilão É o Amor & Amigos, marcado para outubro, na capital paulista. Mais duas doadoras: Elegance 09 da Paraguaçu, de R$ 492.800, e Noite FIV da MRA , de R$ 490 mil, ambas compradas em parceria.



Zezé Di Camargo
"No meu pensamento de menino, queria ser cantor pecuarista"

"Ser ou não ser?", já indagava Shakespeare. Pela dúvida, siga o que o seu coração mandar. Foi assim que, há exatos 18 anos, decidi investir na pecuária. Cresci na roça, sonhando em ser artista, mas, mesmo trocando o universo rural pelo urbano, não tem jeito: a essência a gente carrega. E eu, no meu pensamento de menino, queria ser cantor pecuarista. Quando comprei a minha fazenda, no Vale do Araguaia, em 1993, só pensei em um nome para batizar a propriedade: "É o Amor". Pelo óbvio, todos vão dizer que é em homenagem à música que alçou o sucesso da dupla que fi z com o meu irmão Luciano. Também, mas não somente. Porque, acima de tudo, é este o sentimento que me leva àquelas terras de Goiás, onde costumo chamar de "meu pedacinho de céu". E é lá, em meio ao gorjear dos pássaros, que toquei mais um projeto de vida, a criação de nelore. Meu sonho é fazer da marca "É O AMOR" uma referência na seleção de nelore PO (Puro de Origem).

Para chegar no atual trabalho que realizamos, passamos por todos os processos desta cadeia de produção: criar, recriar, engordar e vender. Foi este o ciclo necessário por 14 anos. Foi um tempo de laboratório para eu tomar a decisão de me dedicar exclusivamente à seleção de gado de elite. Mas nunca estive sozinho. Iris Canedo, que administra a fazenda e quem introduziu a pecuária na É o Amor, não preparou apenas a propriedade para a criação de PO. É ele o responsável por gerar Murilo Godói Canedo, um jovem zootecnista, diretor da agropecuária Camargo, que cresceu vendo o pai lidar com nelore. Murilo foi além, estudou e implementou em nossa criação uma genética apurada e de cabeceira.

Adquirimos e começamos a produzir animais de Elite e que, graças a um trabalho dedicado, competente e de muita paixão, hoje, apresentamos a todos vocês em meu primeiro remate. Com vocês, o "Leilão Nelore É o Amor - Zezé Di Camargo e Amigos", um evento que deseja tocar no coração da maravilhosa família nelorista, da qual tenho orgulho de fazer parte."

Zezé Di Camargo

Nelore É o Amor © . Direitos reservados